Mãe...

"Dizem: quando nasce um bebê, nasce uma mãe também. E um polvo. Um restaurante delivery. Uma máquina de chocolate prontinho. Uma mecânica de carrinhos de controle remoto. Uma médica de bonecas. Uma professora-terapeuta-cozinheira de carreira medíocre. Nasce uma fábrica de cafuné, um chafariz de soro fisiológico, um robô que desperta ao som de choro. E principalmente: nasce a fada do beijo.
Quando nasce um bebê, nasce também o medo da morte – mães não se conformam em deixar o mundo sem encaminhar devidamente um filho.

Não pense você que ao se tornar mãe uma mulher abandona todas as mulheres que já foi um dia. Bobagem. Ganha mais mulheres em si mesma. Com seus desejos aumentam sua audácia, sua garra, seus poderes. Se já era impossível, cuidado: ela vira muitas. Também não me venha imaginar mães como seres delicados e frágeis. Mães são fogo, ninguém segura. Se antes eram incapazes de matar um mosquito, adquirem uma fúria inédita. Montam guarda ao lado de suas crias, capazes de matar tudo o que zumbir perto delas: pernilongos, lagartas, leões, gente.
Mães não têm tempo para o ensaio: estreiam a peça no susto. Aprendem a pilotar o avião em pleno voo. E dão o exemplo, mesmo que nunca tenham sido exemplo. Cobrem seus filhos com o cobertor que lhes falta. E, não raro, depois de fazerem o impossível, acreditam que poderiam ter feito melhor. Nunca estarão prontas para a tarefa gigantesca que é criar um filho – alguém está?
Mente quem diz que mãe sente menos dor – pelo contrário! Ela apenas aprende a deixar sua dor para outra hora. Atira o seu choro no chão para ir acalentar o do filho. Nas horas vagas, dorme. Abastece a casa. Trabalha. Encontra os amigos. Lê – ou adormece com um livro no rosto. E, quando tem tempo pra chorar – cadê? -, passou. A mãe então aproveita que a casa está calma e vai recolher os brinquedos da sala. “Como esse menino cresceu”, ela pensa, a caminho do quarto do filho. Termina o dia exausta, sentada no chão da sala, acompanhada de um sorriso besta.
Já os filhos, ah… Filhos fazem a mãe voltar os olhos para coisas que não importavam antes. O índice de umidade do ar. Os ingredientes do suco de caixinha. O nível de sódio do macarrão sem glúten. Onde fica a Guiné-Bissau. Os rumos da agricultura orgânica. As alternativas contra o aquecimento global. Política. E até sua própria saúde. Mães são mulheres ressuscitadas. Filhos as rejuvenescem, tornando a vida delas mais perigosa – e mais urgente.
Quando nasce um bebê, nasce uma empreiteira. Capaz de cavar a estrada quando não há caminho, só para poder indicar: “É por ali, filho, naquela direção..."

Uma singela homenagem a todas as mães espalhadas pelo mundo e em especial à minha.





17 comentários:

  1. olá Rose, que texto lindo!
    ser mãe e ter uma mãe é o maior presente
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oiii, tudo bem?
    Que texto mais linda Rose, realmente me encantei perfeitamente, ainda não sou mãe e acredito que deve ser assim os sentimentos.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Morgana, vi este texto no final do ano passado, e fiquei encantada. É um texto completo mesmo, você vai ver quando for mãe.
      Bjs, Rose.

      Excluir
  3. Oi Rose, que texto lindo!!! Não sou mãe, mas vejo que é tudo isso mesmo. Parabéns pelo seu dia! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gleyse, obrigada!
      Quando for vai ter certeza que é assim mesmo.
      Bjs, Rose.

      Excluir
  4. já tinha visto esse texto em algum lugar achei muito bonito. E parabens a todas as mamães, ne? a você, a minha, a minha irmã, amigas, sogra hehehe :D
    bela homenagem...
    bjs...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é bonito mesmo. Obrigada e um beijo em sua mãe.
      Rose

      Excluir
  5. Oi Rose.
    Que texto maravilhoso! Acho que caiu um cisco no meu olho kkkk
    Mãe é uma benção. Ainda não fui abençoada com um filho, ainda tem muito tempo para isso, mas para mim a coisa mais preciosa na vida é a minha mãe. É um vínculo tão importante e tão forte, que não pode ser superado.
    Linda homenagem.

    Beijos
    https://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carol, é verdade, mãe é um vinculo inexplicável. O mesmo cisco que caiu no seu olho caiu no meu quando li este este texto :)
      Bjs, Rose.

      Excluir
  6. Olá.
    Que linda homenagem!! Realmente é, na maioria das vezes, isso que acontece.
    Minha mãe é tudo pra mim, desde médica a amiga. Amo ela demais.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Milena, mãe é igual bombril :)
      Bjs!

      Excluir
  7. Que texto bonito! Realmente, mãe é um polvo e várias mulheres em uma. Um ser incrível que deveria ser eterno.
    Beijos!
    http://caindonacultura.com

    ResponderExcluir
  8. Que texto LIN-DO!!! Amei! As mães são anjos na Terra. Eu me considero uma privilegiada por ainda ter a minha comigo. Lindo demais o seu post!

    Tatiana

    ResponderExcluir
  9. Oi Rose, que texto lindo!
    Como dia das mães é todo dia, mostrei para a minha hoje! <3
    Bjos

    http://paraisodasideas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Rose, que texto lindo.
    Bela homenagem.
    Um dom, uma dádiva, um presente ter e ser mãe.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  11. Olá Rose, parabéns pelo texto, ficou incrível!
    Acredito que não deve haver nada mais gratificante para uma mulher que a maternidade, eu ainda não cheguei nessa faze, mas acredito que deve mudar a forma como a pessoa enxerga o mundo, agora com uma nova vida a qual ela é responsável.

    Abraços

    ResponderExcluir

Olá meu amigo, deixe sua opinião, ela é sempre bem vinda. Obrigada por visitar o blog.