#Resenha Dançando Sobre Cacos de Vidro

Oi amigos, hoje tem resenha referente ao meu Desafio Literário, vamos conferir?
Dançando Sobre Cacos de Vidro - Ka Hankoc
336 páginas - Editora Arqueiro
Lucy Houston perdeu a mãe para um câncer de mama, e tanto ela como suas irmãs Lilly e Priscilla sofrem com este histórico familiar. Sempre atentas à saúde, fazem exames regularmente.
Mickey Chandler herdou de sua mãe a bipolaridade, e apesar de todos os seus esforços, a doença às vezes acaba levando a melhor sobre ele.
O caminho destes dois se cruzam quando Lilly vai até o barzinho de Mickey para acertar o aniversário de Lucy.
Na noite em questão eles acabam se conhecendo e um interesse mútuo nasce entre eles. Mas por conta de sua doença, Mickey não leva adiante o que poderia ser um pouco mais relacionamento de amizade.
Mas os caminhos destes dois estavam entrelaçados, e tempo depois quando Lucy está no hospital para dar apoio à sua irmã Priscilla, por conta de uns caroços encontrados, eis que eles se encontram na lanchonete do hospital.
Ali, naquele ambiente frio e triste, Lucy acaba descobrindo o porquê de Mickey não ter ligado para ela. É ali também que Mickey fica sabendo da herança genética de Lucy, e da ameaça que ela tem que carregar diariamente. Uma ameaça que a mantém sempre em alerta, mas que nem por isso a impede de viver.
Agora que ambos sabem o que esperar um do outro, resolvem então iniciar um namoro. Com o tempo as coisas foram ficando mais sérias, e eles perceberam que já não podiam viver um sem o outro. Para o casamento foi um passo mais do que natural, pelo menos para Lucy, pois Priscilla não aceitou a decisão da irmã.
Ela não aceitava que sua irmã fosse ficar amarrada a um homem mentalmente doente e imprevisível. Mesmo tendo que vencer a opinião da irmã, e do próprio Mickey, poi ele mesmo não se achava a altura de Lucy, ela apostou alto, e seguiu feliz ao lado do homem que amava e que ela sabia a amava também.
Apesar de todos os problemas de Mickey, ele era um homem como poucos. Sabendo que viver a seu lado não era fácil, ele se desdobrava para fazer Lucy feliz e lutava bravamente contra sua bipolaridade, Quando caía, era o amor de Lucy que o colocava de volta nos eixos.
E foi o amor deles que superou não  só as crises de Mickey, como também o câncer de Lucy. Diante de algumas adversidades vividas por ambos, eles iam moldando o casamento deles. E uma decisão tomada em conjunto era de que não teriam filhos. Eles não queriam que seus filhos herdassem seus problemas genéticos. Diante disso, Lucy fez um laqueadura de trompas.
Mas tem coisas que por mais certos que estejamos, o destino, ou a mão de Deus tem seus próprios caminhos...
Em um exame de rotina, Lucy descobre estar grávida, justamente em um período em que Mickey está para ter alta de uma recente crise enfrentada. Perplexa com a novidade, Lucy aos poucos percebe o pequeno milagre com que eles foram presenteados, e decide ter o bebê, para alegria do casal.
Mais uma vez ela não encontra apoio em sua irmã mais velha. Com Lilly, o problema já é outro. Mesmo estando feliz pela irmã, Lilly sofre com o fato de não ter filhos, e pior, de terem levado o filho que tentou um dia adotar, Ela  precisava apenas de tempo para digerir o fato.
Quando tudo parece estar entrando nos eixos, e justamente no dia em que descobrem o sexo do bebê, eis que uma pesada espada desce na vida do casal: o câncer de Lucy voltara e estava agora indo para os pulmões. Ela precisaria iniciar imediatamente o tratamento, e para isso teria que fazer um aborto terapêutico.
A partir daqui meus amigos, entrei em uma choradeira sem fim, até o final da leitura... As letras embaçavam e lenços iam embora.
Lucy não aceita fazer o aborto e decide levar a gravidez até o fim, para só depois poder começar o seu tratamento. Isso óbvio levou todos a loucura, principalmente Priscilla que não aceitava de jeito nenhum que sua irmã morresse por conta de uma criança que nem existia ainda. Sem falar de Mickey, que não conseguia entender porquê sua esposa o estava trocando, ou trocando o casamento deles. Ele afirmava categoricamente que não conseguiria amar ao bebê se sua esposa viesse a morrer por conta dele. Fora que na cabeça dele, ele não tinha a mínima condições de cuidar de uma criança...
Só assim para Mickey e Priscilla concordarem com alguma coisa e se unirem...
Apesar de todos os conselhos, ameaças e brigas, Lucy não desistiu, apenas precisou fazer alguns acertos para que sua filha pudesse nascer. Ela teria que aguentar. Mesmo sentindo suas forças indo embora, ela precisava ser forte, por ela, pela filha, pelo marido, pelas irmãs e amigos. Ela vivia um dia de cada vez. Agora ela tinha que pensar na filha, e não dava para dar colo para outros.
Quando Mickey levantou a hipótese de doar a filha, caso Lucy viesse a morrer, ela sabia que precisava tomar uma decisão definitiva.
Será que esta menina realmente nasceria? Mickey teria mesmo coragem de doar a própria filha? E se mãe e filha morressem, será que tudo teria sido em vão?
Uma história de cortar o coração. Lucy é uma mulher forte e amorosa. Mickey é um homem honesto, que ama loucamente a esposa e que tem uma força, que nem ele mesmo sabe que tem. Foram muitas as vezes que a doença o dominou, mas ele bravamente lutou e por amor, voltou para esposa. Como então ele viveria sem ela?
Priscilla foi uma personagem que me irritou muito. Quase no final eu consegui perdoá-la, pelo menos um pouco. Lilly e seu marido Ron eram uma benção. Que casal forte e verdadeiro. Sofri muito por eles e com eles.
As cenas finais foram de uma emoção sem igual. Amor, força, compaixão, amizade, sabedoria, integridade, lealdade, todos os sentimentos bons estavam ali. Um livro para ler e se emocionar. Um livro que não dá para esquecer.
a Rafflecopter giveaway

12 comentários:

  1. Nossa Rose, que livro forte!
    Te confesso que não sei se algum dia irei ler. Já tive a triste experiência com esta doença em minha família e já perdi minha avó materna e meu pai para ela. Por isto não sei se terei coragem e estrutura para ler algum dia.
    Sua resenha ficou show. Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lia, é uma leitura forte e intensa, que mexe conosco desde o incio. Esta doença é cruel mesmo.
      Bjs, Rose

      Excluir
  2. A capa desse livro é realmente bonita e a premissa muito interessante. Sua resenha só me deixou ainda mais ansiosa pela leitura desse livro, adorei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gostei muito desta capa.
      Bjs, Rose

      Excluir
  3. eu tinha uma outra visão deste livro, a capa me deu um outro tipo de impressão, então eu meio que o deixei de lado, mas pela resenha vejo que a trama conquista e cativa pelas dificuldades e avanços deste casal
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando eu o escolhi para o desafio não pensei que seria tão intenso e doloroso.
      Bjs, Rose

      Excluir
  4. Olá, Rose.
    O livro parece retratar uma linda história de amor com uma carga de drama bem interessante. Até eu que não curto tanto um romance fiquei interessado.
    Com certeza leria.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do top comentarista de novembro. Você pode ganhar um livro incrível!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Marcos, apesar da presença e até das provas de amor que percemos ao longo da leitura, são os dramas narrados que tomam força no enredo. É bom livro e não tem nada de meloso. Leia sim.
      Bjs, Rose

      Excluir
  5. Oi Rose! Eu morro de vontade de ler esse livro!
    Faz tempo que ele está em meus desejados!
    A sua resenha me deixou com água na boca!! Acho que vou chorar pacas também!!
    Então lá vamos nós a mais uma Retrospectiva Literária! \o/ Bem-vinda novamente! :)
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi angélica, o livro é ótimo, leia sim. E vamos para mais uma retrospectiva sim ;)
      Bjs, Rose

      Excluir
  6. Este livro é maravilhoso!!!! Amor demais... Todos deveriam ler este livro pois daí iria colocar muitas coisas na balança.

    Beijos!
    www.tesouroliterario.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E verdade Márcia, e percebemos como somos tão pequenos.
      Bjs, Rose

      Excluir

Olá meu amigo, deixe sua opinião, ela é sempre bem vinda. Obrigada por visitar o blog.