#Resenha Proibido pra Mim e Perfeita pra Mim

Oi amigos, hoje vou fazer uma resenha um pouco diferente do que costumo fazer. Vou falar ao mesmo tempo de dois livros da autora Halice FRS. Proibido pra Mim e Perfeita pra Mim falam da mesma história, mas cada um com o ponto de vista de um personagem diferente.
Proibido pra Mim - 228 páginas
Perfeita pra Mim - 300 páginas
Não é de hoje que adolescentes sente-se atraídos por pessoas mais velhas, professores, conhecidos, vizinhos, amigos dos irmãos, entre outros...
Caio Ressali não passou imune a isso, aliás, no caso dele, as coisas foram mais intensas e complicadas do que uma simples paixonite. Tudo começou quando aos 14 anos ele e seus avós mudaram para um condomínio na Praça Afonso Mendes no Rio de Janeiro.
Foi lá que ele conheceu Cássio Mendes e posteriormente Marcos e Denis. Os quatro se tornaram inseparáveis e viriam a formar "O Quarteto Fantástico". Apesar da forte e sincera amizade do grupo, Caio e Cássio desenvolveram uma amizade ainda mais sólida e profunda.
Todos tinham o costume de frequentar a casa do Cássio, e foi lá que Caio conheceu a mulher de seus sonhos. Mas para sua consternação, este conhecimento só trouxe complicações, pois a mulher em questão  além de ser 17 anos mais velha, ainda era casada. Se só estes dois fatos já seriam complicados, então adicionem o fato de que a mulher em questão era Norah Mendes, mãe do Cássio... Não preciso dizer mais nada, não é mesmo?
Durante anos Caio conviveu com a família Mendes tendo ciência do quão impossível era seu sonho. Os Mendes formavam uma família sólida. Norah era bem casada e amada. Uma boa mãe e profissional. Para ela Caio não passava de mais um dos sobrinhos postiços a quem dispensava afeto e atenção.
Ele tentou lutar contra este sentimento. Chegou até a se afastar dos amigos, mas foi em vão. Ele percebeu que Norah seria para sempre o seu verdadeiro amor. 
Quando o Sr. Mendes morreu, o que poderia ser um pequena luz no escuro, tornou-se um tormento, pois ele viu de perto todo o sofrimento de Norah.
Sem muito a ser feito, ele guardou o sentimento para si. Amando de longe e recebendo o carinho que seus amigos também recebiam. Livre e lindo, ao lado dos amigos tornou-se um verdadeiro galinha. Sempre estava com uma garota diferente, sempre fazendo questão que ela soubesse que não era nada sério, apenas uma "ficada". A adolescência foi ficando para trás, e hoje aos 25 anos ele trabalha com o avô no escritório de contabilidade, além de dar aulas de violão para crianças carentes e algumas aulas particulares para adultos. A amizade do quarteto, assim como a azaração e o amor por Norah continuaram do mesmo jeito.
Depois de 7 anos de luto, Norah começa a dar sinais de querer voltar à vida. Percebendo isso, Caio faz questão de se mostrar presente. Anos de espera e finalmente surge uma pequena esperança do qual ele está disposto a agarrar com as duas mãos.
Caio acaba se tornando professor de violão de Norah, sendo esta a sua chance de mostrar que não é mais um menino.
Mas as coisas continuam complicadas. Se Norah não é mais casada e está querendo deixar o luto para trás, a diferença de idade e o fato dela ser a mãe de seu melhor amigo continuam. Sem contar que com a morte do pai, Cássio tornou-se extremamente protetor e ciumento em relação à mãe. Obstáculos que Caio espera transpor, apesar das dificuldades.
Norah aos poucos vai renascendo e dando sinais que algo está mudando, para desespero de Cássio e alegria de Elisa, sua filha. Ela tem dificuldades de se ver pelos olhos de Caio e não sabe como resolver o problema desta atração que sente por ele. Medo, culpa e paixão duelam em seu interior.
Caio não é mais um menino, mas será que ela é merecedora de tamanho amor? E como contar sobre esta relação para os filhos? Como enfrentar o preconceito da sociedade? Questões que martelam sua cabeça, mesmo quando Caio afirma que juntos eles podem vencer todos estes problemas.
Mas quando uma semente de desconfiança é plantada e ganha forças, a relação deles fica comprometida. Caio não está mais disposto a ficar escondido. Agora ele quer tudo as claras e pretende descobrir o que de fato está acontecendo, mesmo que isso signifique enterrar de vez seus sentimentos. As constantes mudanças emocionais de sua amada precisam ter um fim.
O que ninguém esperava era que a força de um amor cego poderia ser também o condutor de uma triste tragédia. Será que o destino seria capaz de fazer todos pagarem por seus medos e mentiras?

Eu li os dois livros na sequência, primeiro a versão de Norah (Proibido para Mim) e depois a versão de Caio (Perfeita para Mim). Devo dizer que mesmo sendo uma mesma história, ambas as versões conseguem ser únicas, cada uma a seu modo.
Halice conseguiu de forma brilhante diferenciar o que cada um pensava ou passava, com detalhes que só percebemos lendo cada versão.
O leitor não é obrigado a ler os dois livros, até porque, cada um deles tem começo, meio e fim. Mas, para mim, as duas leituras acabam se completando sem se anularem.
Um texto envolvente e ágil, onde o leitor fica torcendo pelo casal. No final eu desconfiava do que iria acontecer, mas mesmo assim, não deixei de gostar da forma como a autora conduziu a história. Não me senti entediada em nenhum momento, nem mesmo quando lia a versão de Caio.
Como disse no início, foi a primeira vez que resenhei sobre dois livros com diferentes pontos de vista de uma mesma história, e espero ter me saído bem. Mas caso isso não tenha ocorrido, peço que deem sim uma chance para a história deste casal.

Caso tenham se interessado, ambos estão disponíveis no site da Amazon:






#Resenha Proibido pra Mim e Perfeita pra Mim

Oi amigos, hoje vou fazer uma resenha um pouco diferente do que costumo fazer. Vou falar ao mesmo tempo de dois livros da autora Halice FRS. Proibido pra Mim e Perfeita pra Mim falam da mesma história, mas cada um com o ponto de vista de um personagem diferente.
Proibido pra Mim - 228 páginas
Perfeita pra Mim - 300 páginas
Não é de hoje que adolescentes sente-se atraídos por pessoas mais velhas, professores, conhecidos, vizinhos, amigos dos irmãos, entre outros...
Caio Ressali não passou imune a isso, aliás, no caso dele, as coisas foram mais intensas e complicadas do que uma simples paixonite. Tudo começou quando aos 14 anos ele e seus avós mudaram para um condomínio na Praça Afonso Mendes no Rio de Janeiro.
Foi lá que ele conheceu Cássio Mendes e posteriormente Marcos e Denis. Os quatro se tornaram inseparáveis e viriam a formar "O Quarteto Fantástico". Apesar da forte e sincera amizade do grupo, Caio e Cássio desenvolveram uma amizade ainda mais sólida e profunda.
Todos tinham o costume de frequentar a casa do Cássio, e foi lá que Caio conheceu a mulher de seus sonhos. Mas para sua consternação, este conhecimento só trouxe complicações, pois a mulher em questão  além de ser 17 anos mais velha, ainda era casada. Se só estes dois fatos já seriam complicados, então adicionem o fato de que a mulher em questão era Norah Mendes, mãe do Cássio... Não preciso dizer mais nada, não é mesmo?
Durante anos Caio conviveu com a família Mendes tendo ciência do quão impossível era seu sonho. Os Mendes formavam uma família sólida. Norah era bem casada e amada. Uma boa mãe e profissional. Para ela Caio não passava de mais um dos sobrinhos postiços a quem dispensava afeto e atenção.
Ele tentou lutar contra este sentimento. Chegou até a se afastar dos amigos, mas foi em vão. Ele percebeu que Norah seria para sempre o seu verdadeiro amor. 
Quando o Sr. Mendes morreu, o que poderia ser um pequena luz no escuro, tornou-se um tormento, pois ele viu de perto todo o sofrimento de Norah.
Sem muito a ser feito, ele guardou o sentimento para si. Amando de longe e recebendo o carinho que seus amigos também recebiam. Livre e lindo, ao lado dos amigos tornou-se um verdadeiro galinha. Sempre estava com uma garota diferente, sempre fazendo questão que ela soubesse que não era nada sério, apenas uma "ficada". A adolescência foi ficando para trás, e hoje aos 25 anos ele trabalha com o avô no escritório de contabilidade, além de dar aulas de violão para crianças carentes e algumas aulas particulares para adultos. A amizade do quarteto, assim como a azaração e o amor por Norah continuaram do mesmo jeito.
Depois de 7 anos de luto, Norah começa a dar sinais de querer voltar à vida. Percebendo isso, Caio faz questão de se mostrar presente. Anos de espera e finalmente surge uma pequena esperança do qual ele está disposto a agarrar com as duas mãos.
Caio acaba se tornando professor de violão de Norah, sendo esta a sua chance de mostrar que não é mais um menino.
Mas as coisas continuam complicadas. Se Norah não é mais casada e está querendo deixar o luto para trás, a diferença de idade e o fato dela ser a mãe de seu melhor amigo continuam. Sem contar que com a morte do pai, Cássio tornou-se extremamente protetor e ciumento em relação à mãe. Obstáculos que Caio espera transpor, apesar das dificuldades.
Norah aos poucos vai renascendo e dando sinais que algo está mudando, para desespero de Cássio e alegria de Elisa, sua filha. Ela tem dificuldades de se ver pelos olhos de Caio e não sabe como resolver o problema desta atração que sente por ele. Medo, culpa e paixão duelam em seu interior.
Caio não é mais um menino, mas será que ela é merecedora de tamanho amor? E como contar sobre esta relação para os filhos? Como enfrentar o preconceito da sociedade? Questões que martelam sua cabeça, mesmo quando Caio afirma que juntos eles podem vencer todos estes problemas.
Mas quando uma semente de desconfiança é plantada e ganha forças, a relação deles fica comprometida. Caio não está mais disposto a ficar escondido. Agora ele quer tudo as claras e pretende descobrir o que de fato está acontecendo, mesmo que isso signifique enterrar de vez seus sentimentos. As constantes mudanças emocionais de sua amada precisam ter um fim.
O que ninguém esperava era que a força de um amor cego poderia ser também o condutor de uma triste tragédia. Será que o destino seria capaz de fazer todos pagarem por seus medos e mentiras?

Eu li os dois livros na sequência, primeiro a versão de Norah (Proibido para Mim) e depois a versão de Caio (Perfeita para Mim). Devo dizer que mesmo sendo uma mesma história, ambas as versões conseguem ser únicas, cada uma a seu modo.
Halice conseguiu de forma brilhante diferenciar o que cada um pensava ou passava, com detalhes que só percebemos lendo cada versão.
O leitor não é obrigado a ler os dois livros, até porque, cada um deles tem começo, meio e fim. Mas, para mim, as duas leituras acabam se completando sem se anularem.
Um texto envolvente e ágil, onde o leitor fica torcendo pelo casal. No final eu desconfiava do que iria acontecer, mas mesmo assim, não deixei de gostar da forma como a autora conduziu a história. Não me senti entediada em nenhum momento, nem mesmo quando lia a versão de Caio.
Como disse no início, foi a primeira vez que resenhei sobre dois livros com diferentes pontos de vista de uma mesma história, e espero ter me saído bem. Mas caso isso não tenha ocorrido, peço que deem sim uma chance para a história deste casal.

Caso tenham se interessado, ambos estão disponíveis no site da Amazon:






Editoras Parceiras