#Resenha Um Sedutor Sem Coração #1

Oi amigos, hoje tenho para vocês uma série nova de romances de época que foi lançado pela Editora Arqueiro. Vamos lá?
Um Sedutor Sem Coração - #1 Os Ravenels - Lisa Kleypas
320 páginas - Editora Arqueiro
Devon Ravenel estava mais do que satisfeito com a vida libertina e sem responsabilidade que levava. Por isso quando soube que acabara de herdar o título de Conde de Trenear ficou revoltado. E a revolta só aumentou conforme ele foi se aprofundando nos problemas que o condado herdado lhe traria. 
Fora as responsabilidades atreladas ao título e os problemas financeiros, Devon ainda teria que decidir o que fazer com a viúva do seu primo assim como as irmãs dele que viviam no condado herdado.
Sua vontade era vender tudo e mandar as mulheres embora, mas ao se deparar com Lady Kathleen, suas decisões tomaram um novo rumo. Ela deixou claro o desprezo que tinha por ele e pelo irmão, que não viam a hora de livrar-se do problemas que caíram em suas mãos.
Kathleen ficou casada poucos dias antes do marido morrer. Marido este, que não se dava bem com Devon. Ela carregava dentro de si a culpa pela morte do marido além de um forte senso de moral que seus pais de criação lhe impuseram.
Mesmo não tendo nenhum poder de decisão em mãos sobre seu futuro, ou mesmo o futuro de suas cunhadas e do condado, ela não estava disposta a deixar Devon e o irmão destruírem tudo o que gerações construíram.
A batalha de palavras entre eles começou cedo, e para sorte de Kathleen, Devon começou a perceber que não poderia ou mesmo queria fazer o que a princípio desejou fazer. Sem entender nada de terra ou tudo ligado a ela, Devon pediu ajuda a quem sempre esteve a seu lado, seu irmão West.
O condado não estava mudando apenas Devon, West também sofreu uma grande mudança a partir do momento que decidiu colocar a mão na massa. 
Com pouco dinheiro, nenhum conhecimento, muita coisa a ser feita e com inteligência West e Devon começaram a reerguer o condado.
Mas o processo não era fácil, e Devon tinha que tomar decisões nem sempre fáceis para poder seguir em frente. E a atração que sentia por Kathleen, não ajudava em nada, principalmente quando a jovem viúva não se furtava de dar suas opiniões sempre contrárias as de Devon. Curiosamente West e Kathleen iam na contramão, e apesar da estranheza inicial, estavam se entendendo muito bem. 
Kathleen também não estava passando imune ao charme de Devon, mas a criação a que foi submetida não permitia que ela sonhasse com algo mais, o que deixava Devon puto da vida com a situação sem sentido.
Na dura jornada de reconstrução que todos estavam passando, em jogo não apenas o condado e o que aconteceria com todos que ali viviam e dependiam daquelas terras, como também o coração de Devon e Kathleen.
Infelizmente desta vez o enredo não encheu meus olhos como normalmente acontece. Não simpatizei muito com Kathleen, achei que tudo com ela era meio a ferro e fogo, muito cheia de moral e bons costumes, mas aceitando quebrar as regras quando lhe convinha, mas não para encarar de frente a própria vida. Detestei a forma como ela tratou o noivado de Helen e Rhys. Gostei um pouco mais de Devon, mas quem roubou a cena mesmo para mim foram West e as gêmeas Cassandra e Pandora. Este trio deu um toque de humor ao enredo que foi muito bem vindo. O final também trouxe um gancho que me deixou empolgada, e o romance que parecia rompido definitivamente, tem lenha para queimar e promete ser mais interessante que este primeiro. Agora é esperar para ver.

Quem se interessou já pode ficar de olho nos próximos livros da série:

#Resenha Um Sedutor Sem Coração #1

Oi amigos, hoje tenho para vocês uma série nova de romances de época que foi lançado pela Editora Arqueiro. Vamos lá?
Um Sedutor Sem Coração - #1 Os Ravenels - Lisa Kleypas
320 páginas - Editora Arqueiro
Devon Ravenel estava mais do que satisfeito com a vida libertina e sem responsabilidade que levava. Por isso quando soube que acabara de herdar o título de Conde de Trenear ficou revoltado. E a revolta só aumentou conforme ele foi se aprofundando nos problemas que o condado herdado lhe traria. 
Fora as responsabilidades atreladas ao título e os problemas financeiros, Devon ainda teria que decidir o que fazer com a viúva do seu primo assim como as irmãs dele que viviam no condado herdado.
Sua vontade era vender tudo e mandar as mulheres embora, mas ao se deparar com Lady Kathleen, suas decisões tomaram um novo rumo. Ela deixou claro o desprezo que tinha por ele e pelo irmão, que não viam a hora de livrar-se do problemas que caíram em suas mãos.
Kathleen ficou casada poucos dias antes do marido morrer. Marido este, que não se dava bem com Devon. Ela carregava dentro de si a culpa pela morte do marido além de um forte senso de moral que seus pais de criação lhe impuseram.
Mesmo não tendo nenhum poder de decisão em mãos sobre seu futuro, ou mesmo o futuro de suas cunhadas e do condado, ela não estava disposta a deixar Devon e o irmão destruírem tudo o que gerações construíram.
A batalha de palavras entre eles começou cedo, e para sorte de Kathleen, Devon começou a perceber que não poderia ou mesmo queria fazer o que a princípio desejou fazer. Sem entender nada de terra ou tudo ligado a ela, Devon pediu ajuda a quem sempre esteve a seu lado, seu irmão West.
O condado não estava mudando apenas Devon, West também sofreu uma grande mudança a partir do momento que decidiu colocar a mão na massa. 
Com pouco dinheiro, nenhum conhecimento, muita coisa a ser feita e com inteligência West e Devon começaram a reerguer o condado.
Mas o processo não era fácil, e Devon tinha que tomar decisões nem sempre fáceis para poder seguir em frente. E a atração que sentia por Kathleen, não ajudava em nada, principalmente quando a jovem viúva não se furtava de dar suas opiniões sempre contrárias as de Devon. Curiosamente West e Kathleen iam na contramão, e apesar da estranheza inicial, estavam se entendendo muito bem. 
Kathleen também não estava passando imune ao charme de Devon, mas a criação a que foi submetida não permitia que ela sonhasse com algo mais, o que deixava Devon puto da vida com a situação sem sentido.
Na dura jornada de reconstrução que todos estavam passando, em jogo não apenas o condado e o que aconteceria com todos que ali viviam e dependiam daquelas terras, como também o coração de Devon e Kathleen.
Infelizmente desta vez o enredo não encheu meus olhos como normalmente acontece. Não simpatizei muito com Kathleen, achei que tudo com ela era meio a ferro e fogo, muito cheia de moral e bons costumes, mas aceitando quebrar as regras quando lhe convinha, mas não para encarar de frente a própria vida. Detestei a forma como ela tratou o noivado de Helen e Rhys. Gostei um pouco mais de Devon, mas quem roubou a cena mesmo para mim foram West e as gêmeas Cassandra e Pandora. Este trio deu um toque de humor ao enredo que foi muito bem vindo. O final também trouxe um gancho que me deixou empolgada, e o romance que parecia rompido definitivamente, tem lenha para queimar e promete ser mais interessante que este primeiro. Agora é esperar para ver.

Quem se interessou já pode ficar de olho nos próximos livros da série:

Editoras Parceiras