#Resenha: Uma Curva no Tempo


Oi amigos, estava sumida aqui da Fábrica, mas hoje volto com a resenha de um livro que eu gostei muito:

Uma Curva no Tempo - Dani Atkins
256 páginas - Editora Arqueiro
Como sempre lhes falo ou melhor escrevo, é difícil falar de uma leitura que nos toca e conquista. Nessas páginas eu mergulhei de uma vez só, pois não há como conter a curiosidade. Confesso que não costumo me trapacear, mas tive que ler a última frase, antes do final, tamanho era meu medo. Está difícil não soltar um spoiler. Até porque dependendo do que você ler no mundo virtual, vai estragar toda a maravilha da leitura. Então melhor falar dos meus sentimentos e deixar você descobrir por si mesmo.
Aprendo algo com a maioria das leituras que faço, por isso que sempre digo, as vezes o gostarmos ou não de um livro, vai da carga literária que cada um tem. Rachel a primeira vista é uma pessoa que não soube aproveitar a própria vida, se isolou dos amigos e vive com a sua culpa, acreditando que deve viver dessa maneira. O que na minha concepção ela está totalmente errada, se a cada pessoa importante que perdemos, seja pelo destino ou salvando nossa própria vida, estaríamos sendo injustos demais com essa segunda chance. Seria o mesmo que falar ao destino: "- Ai babaca, levou a pessoa errada, afinal não saberei viver minha vida, devia ter sido eu." E o destino que nada pode fazer, não responderá, mas lá na frente, muitos anos depois, você estará arrependido por não ter entendido o que é viver.
Viver, não é simplesmente levantar e trabalhar, pagar as contas e sobreviver. Viver é aproveitar os momentos bons ao lado de quem gostamos, fazer o que nos dá prazer, rir, chorar de alegria, comemorar o ato de respirar. Sei que todos temos partes baixas da vida, mas sem elas não daríamos valor as altas emoções, as pessoas que se importam com a gente, ao carinho que recebemos.
Mas nossa personagem parece que viveu algo diferente, em um acidente, ela acorda com as lembranças tristes, mas em uma vida totalmente incrível, que ela queria ter vivido, mas então porque ela não lembra de um só momento de felicidade. Nem as pessoas doentes que agora estão boas, são o bastante para ela aproveitar. Afinal creio que todos nós reagiríamos da mesma forma, querendo provar que estamos sãos e corretos.
Gratos devem ser, aqueles que não desejam uma curva no tempo, aqueles que são felizes aqui e agora, que terminariam a vida nesse momento, sem se arrepender de nada e satisfeitos com as próprias decisões. Quem já teve umas duas décadas de vida, sempre pensa nas decisões que tomou e mudaram o rumo das suas metas. Pensa se fez bem ou se poderia ser melhor. Então saiba que o que é hoje, foi o resultado das suas decisões. Se não está feliz, está na hora de mudar suas metas e reformular o caminho. Como dizem por aí, a vida é o aqui e o agora, viva da melhor fora possível o hoje e agradeça por cada minuto.
Não nos enganemos pensando que a vida é somente rosas, ela também tem alguns espinhos e para colhermos belos buques, temos que levar alguns arranhões. Não tenha medo de se machucar, escolha com o coração e a razão. Afinal algo maravilhoso, pode acontecer na sua história hoje.
Parece que falei um monte de bobagens, que não me expressei direito, que tem gente que tem uma vida de cão e vai pensar, quantas palavras sem sentido. Mas e a fé e o amor em dias melhores, onde está? Essa leitura me ensinou que tenho que viver o melhor e ao máximo, mesmo que o tempo passe voando e os meses engulam uns aos outros, tenho de agradecer a bela vida que tenho e as pessoas que eu conheço. Porque nada vale a pena, se não tivermos bons momentos.
Estou sempre me desculpando e falando um monte dos meus sentimentos, quem me conhece sabe que fico assim, quando um livro tem um grande impacto e me deixa pensando por horas e dias em tudo o que li. Então provavelmente vocês leram até aqui, só para saber que eu recomendo essa obra com toda a certeza.
Para finalizar, deixo com vocês o book trailer do livro:
Beijos,
*Resenha publicada originalmente no blog A Magia Real

#Resenha: Uma Curva no Tempo


Oi amigos, estava sumida aqui da Fábrica, mas hoje volto com a resenha de um livro que eu gostei muito:

Uma Curva no Tempo - Dani Atkins
256 páginas - Editora Arqueiro
Como sempre lhes falo ou melhor escrevo, é difícil falar de uma leitura que nos toca e conquista. Nessas páginas eu mergulhei de uma vez só, pois não há como conter a curiosidade. Confesso que não costumo me trapacear, mas tive que ler a última frase, antes do final, tamanho era meu medo. Está difícil não soltar um spoiler. Até porque dependendo do que você ler no mundo virtual, vai estragar toda a maravilha da leitura. Então melhor falar dos meus sentimentos e deixar você descobrir por si mesmo.
Aprendo algo com a maioria das leituras que faço, por isso que sempre digo, as vezes o gostarmos ou não de um livro, vai da carga literária que cada um tem. Rachel a primeira vista é uma pessoa que não soube aproveitar a própria vida, se isolou dos amigos e vive com a sua culpa, acreditando que deve viver dessa maneira. O que na minha concepção ela está totalmente errada, se a cada pessoa importante que perdemos, seja pelo destino ou salvando nossa própria vida, estaríamos sendo injustos demais com essa segunda chance. Seria o mesmo que falar ao destino: "- Ai babaca, levou a pessoa errada, afinal não saberei viver minha vida, devia ter sido eu." E o destino que nada pode fazer, não responderá, mas lá na frente, muitos anos depois, você estará arrependido por não ter entendido o que é viver.
Viver, não é simplesmente levantar e trabalhar, pagar as contas e sobreviver. Viver é aproveitar os momentos bons ao lado de quem gostamos, fazer o que nos dá prazer, rir, chorar de alegria, comemorar o ato de respirar. Sei que todos temos partes baixas da vida, mas sem elas não daríamos valor as altas emoções, as pessoas que se importam com a gente, ao carinho que recebemos.
Mas nossa personagem parece que viveu algo diferente, em um acidente, ela acorda com as lembranças tristes, mas em uma vida totalmente incrível, que ela queria ter vivido, mas então porque ela não lembra de um só momento de felicidade. Nem as pessoas doentes que agora estão boas, são o bastante para ela aproveitar. Afinal creio que todos nós reagiríamos da mesma forma, querendo provar que estamos sãos e corretos.
Gratos devem ser, aqueles que não desejam uma curva no tempo, aqueles que são felizes aqui e agora, que terminariam a vida nesse momento, sem se arrepender de nada e satisfeitos com as próprias decisões. Quem já teve umas duas décadas de vida, sempre pensa nas decisões que tomou e mudaram o rumo das suas metas. Pensa se fez bem ou se poderia ser melhor. Então saiba que o que é hoje, foi o resultado das suas decisões. Se não está feliz, está na hora de mudar suas metas e reformular o caminho. Como dizem por aí, a vida é o aqui e o agora, viva da melhor fora possível o hoje e agradeça por cada minuto.
Não nos enganemos pensando que a vida é somente rosas, ela também tem alguns espinhos e para colhermos belos buques, temos que levar alguns arranhões. Não tenha medo de se machucar, escolha com o coração e a razão. Afinal algo maravilhoso, pode acontecer na sua história hoje.
Parece que falei um monte de bobagens, que não me expressei direito, que tem gente que tem uma vida de cão e vai pensar, quantas palavras sem sentido. Mas e a fé e o amor em dias melhores, onde está? Essa leitura me ensinou que tenho que viver o melhor e ao máximo, mesmo que o tempo passe voando e os meses engulam uns aos outros, tenho de agradecer a bela vida que tenho e as pessoas que eu conheço. Porque nada vale a pena, se não tivermos bons momentos.
Estou sempre me desculpando e falando um monte dos meus sentimentos, quem me conhece sabe que fico assim, quando um livro tem um grande impacto e me deixa pensando por horas e dias em tudo o que li. Então provavelmente vocês leram até aqui, só para saber que eu recomendo essa obra com toda a certeza.
Para finalizar, deixo com vocês o book trailer do livro:
Beijos,
*Resenha publicada originalmente no blog A Magia Real

Editoras Parceiras