#Resenha O Duque e Eu #1/8


Oi amigos, finalmente comecei a série de romances de época "Os Bridgertons" da Julia Quinn! \o/\o/ Então, principalmente para aqueles que gostam do gênero, não deixem de ler a resenha do volume 1 da série.

O Duque e Eu - vol. 01 da série Os Bridgertons - Julia Quinn
288 páginas - Editora Arqueiro
A mãe de Simon Basset perdeu a vida logo após dar a luz a seu filho. Simon era o filho mais que desejado do Duque de Hastings. Depois de várias tentativas mal sucedidas de ter um herdeiro, eis que finalmente ele tinha em seus braços um filho, e além de tudo, um menino que daria sequência ao legado da família.
Porém, Simon não mostrou ser o que o pai desejava. Na visão deturpada do Duque, Simon, ainda com 2 anos era um fracasso, não merecendo o título da família. 
Simon foi rejeitado pelo pai que se mudou para Londres e o deixou aos cuidados da babá e empregados da mansão. Ele nunca mais quis saber do filho.
Simon nunca soube o que era amor paterno e fez duas promessas a si mesmo, provar que poderia ser o que quisesse e jamais se casar, sendo ele o último a carregar o sobrenome que o pai tanto se orgulhava.
Do outro lado da história temos Daphne Bridgerton, a quarta filha de uma lista de oito irmãos. Daphne era a mais velha das meninas, e para seu desespero estava na idade que a sociedade achava adequado casar.
Daphne cresceu vendo o amor entre seus pais e deles com os filhos. Com três irmãos mais velhos, acabou crescendo em meio a companhia masculina, o que deixou sua educação bem diferente das encontradas nas meninas de sua idade, tão meigas e delicadas...
Talvez por isso ela não estava querendo aceitar a proposta de qualquer idiota, ou melhor, marido. Ainda bem que ela tinha o apoio dos irmãos, principalmente de Anthony, o mais velho dos Bridgerton e que era responsável pela família após a morte do pai.
Com a volta de Simon para Londres depois de perambular pelo mundo, o caminho destes dois se cruzam em uma das inúmeras festas da sociedade onde as moças em idade para casar caçavam, quero dizer, procuravam maridos.
Simon gostou de cara do jeito "despojado" de Daphne, uma pena que ela era irmã de seu melhor amigo Anthony, do contrário.... Ele não entendia como ela não tinha vários pretendentes a seus pés.
Daphne por sua vez não imaginava que o famoso duque fosse tão lindo e atraente. Uma pena a fama de libertino que ele carregava...
Quando Simon se vê encurralado pelas mães ávidas em casar suas filhas, ele teve uma ideia um tanto fora do normal, mas que para ele era brilhante: "fazer a corte" a Daphne. Ele propôs o acordo e explicou suas metas: afastar as interessadas em casamento e atrair atenção masculina para Daphne. Ele só não contava com o ciúmes e super proteção de Anthony.
O plano dele estava dando relativamente certo, ele só não sabia se isso era bom ou ruim. Lidar com os irmãos de Daphne, ver os homens cortejando-a e lidar com os próprios sentimentos estava dando um nó na cabeça dele.
Daphne estava muito satisfeita com o acordo. Os pretendentes realmente começaram a aparecer. As coisas só não estavam melhores porquê ela não sabia explicar a batida mais forte de seu coração toda vez que via Simon.
Entre os dois acabou nascendo uma amizade e algo mais que eles insistiam em ignorar. A cada dia estava mais complicado manter distância. E como nada parecia acontecer, Daphne resolveu agir, mas o destino mostrou sua cara e impôs sua vontade. Na verdade foi Anthony que impôs sua vontade. Acontece que Simon não iria aceitar receber ordens de ninguém, nem mesmo de seu melhor amigo, nem que isso magoasse Daphne. 
Já sabendo como a mente masculina pensa, ou não pensa dependendo da questão, Daphne não iria deixar que estes dois cabeças duras fizessem uma besteira e jogou uma cartada decisiva. Resta saber se Simon vai morder a isca. Mas Daphne não está para brincadeira e vai usar as armas que tem para que Simon enxergue e encare seus próprios medos. O problema é que o tiro pode sair pela culatra e afastar os dois de vez.
Julia Quinn presenteou seus leitores com uma história rica. Rica de personagens, de qualidade, de humor e de amor. A família Bridgerton é grande e amorosa. Depois da morte do marido, Violet criou sozinha seus 8 filhos. Nem ela mesmo sabe como conseguiu isso sem ficar maluca. Em muitos momentos me senti dentro da família, talvez por ver minha própria família maluca, intrometida e amorosa sendo retratada em determinados momentos.
Além do ótimo casal de protagonistas, também me encantei com Colin (terceiro na ordem dos irmãos) e Violet, a matriarca da família. Aliás, só para vocês saberem, os irmãos receberam nomes em ordem alfabética conforme foram nascendo, ou seja, como são em oito irmãos, os nomes vão de A até H:
Também quero avisar para quem for ler, que uma das últimas cenas de Violet dando bronca nos filhos Anthony, Bennedict e Colin foi simplesmente hilária! Não poderia deixar de falar também sobre o personagem de Lady Whistledown. Ela (ou ele?) tem um periódico onde conta todas as fofocas da sociedade. O curioso disso, é quem ninguém imagina quem seja a pessoa, e conforme vamos lendo suas crônicas que são colocadas ao longo da história, percebemos que ela/ele é muito bem relacionado, o que acaba gerando muita curiosidade. Terminei este livro achando que é alguém da família Bridgerton, quem sabe a própria Violet...
Enfim, é um romance para ser lido e degustado com prazer. Agora conheçam a árvore genealógica da família:
Ah, uma última coisa, para aqueles que torcem o nariz para os famosos "livros de banca", deem uma olhada nesta imagem:
Pois é, esta série que arrebatou tantos fãs foi lançada antes pela antiga Editora Nova Cultural, famosa por seus romances de banca...
Então amigos, gostaram? Quem de vocês já leu? O que acharam?
Esta resenha faz parte de um dos meus Desafios Literários, para conferirem as outras resenhas do desafio, cliquem na imagem abaixo:
a Rafflecopter giveaway

#Resenha O Duque e Eu #1/8


Oi amigos, finalmente comecei a série de romances de época "Os Bridgertons" da Julia Quinn! \o/\o/ Então, principalmente para aqueles que gostam do gênero, não deixem de ler a resenha do volume 1 da série.

O Duque e Eu - vol. 01 da série Os Bridgertons - Julia Quinn
288 páginas - Editora Arqueiro
A mãe de Simon Basset perdeu a vida logo após dar a luz a seu filho. Simon era o filho mais que desejado do Duque de Hastings. Depois de várias tentativas mal sucedidas de ter um herdeiro, eis que finalmente ele tinha em seus braços um filho, e além de tudo, um menino que daria sequência ao legado da família.
Porém, Simon não mostrou ser o que o pai desejava. Na visão deturpada do Duque, Simon, ainda com 2 anos era um fracasso, não merecendo o título da família. 
Simon foi rejeitado pelo pai que se mudou para Londres e o deixou aos cuidados da babá e empregados da mansão. Ele nunca mais quis saber do filho.
Simon nunca soube o que era amor paterno e fez duas promessas a si mesmo, provar que poderia ser o que quisesse e jamais se casar, sendo ele o último a carregar o sobrenome que o pai tanto se orgulhava.
Do outro lado da história temos Daphne Bridgerton, a quarta filha de uma lista de oito irmãos. Daphne era a mais velha das meninas, e para seu desespero estava na idade que a sociedade achava adequado casar.
Daphne cresceu vendo o amor entre seus pais e deles com os filhos. Com três irmãos mais velhos, acabou crescendo em meio a companhia masculina, o que deixou sua educação bem diferente das encontradas nas meninas de sua idade, tão meigas e delicadas...
Talvez por isso ela não estava querendo aceitar a proposta de qualquer idiota, ou melhor, marido. Ainda bem que ela tinha o apoio dos irmãos, principalmente de Anthony, o mais velho dos Bridgerton e que era responsável pela família após a morte do pai.
Com a volta de Simon para Londres depois de perambular pelo mundo, o caminho destes dois se cruzam em uma das inúmeras festas da sociedade onde as moças em idade para casar caçavam, quero dizer, procuravam maridos.
Simon gostou de cara do jeito "despojado" de Daphne, uma pena que ela era irmã de seu melhor amigo Anthony, do contrário.... Ele não entendia como ela não tinha vários pretendentes a seus pés.
Daphne por sua vez não imaginava que o famoso duque fosse tão lindo e atraente. Uma pena a fama de libertino que ele carregava...
Quando Simon se vê encurralado pelas mães ávidas em casar suas filhas, ele teve uma ideia um tanto fora do normal, mas que para ele era brilhante: "fazer a corte" a Daphne. Ele propôs o acordo e explicou suas metas: afastar as interessadas em casamento e atrair atenção masculina para Daphne. Ele só não contava com o ciúmes e super proteção de Anthony.
O plano dele estava dando relativamente certo, ele só não sabia se isso era bom ou ruim. Lidar com os irmãos de Daphne, ver os homens cortejando-a e lidar com os próprios sentimentos estava dando um nó na cabeça dele.
Daphne estava muito satisfeita com o acordo. Os pretendentes realmente começaram a aparecer. As coisas só não estavam melhores porquê ela não sabia explicar a batida mais forte de seu coração toda vez que via Simon.
Entre os dois acabou nascendo uma amizade e algo mais que eles insistiam em ignorar. A cada dia estava mais complicado manter distância. E como nada parecia acontecer, Daphne resolveu agir, mas o destino mostrou sua cara e impôs sua vontade. Na verdade foi Anthony que impôs sua vontade. Acontece que Simon não iria aceitar receber ordens de ninguém, nem mesmo de seu melhor amigo, nem que isso magoasse Daphne. 
Já sabendo como a mente masculina pensa, ou não pensa dependendo da questão, Daphne não iria deixar que estes dois cabeças duras fizessem uma besteira e jogou uma cartada decisiva. Resta saber se Simon vai morder a isca. Mas Daphne não está para brincadeira e vai usar as armas que tem para que Simon enxergue e encare seus próprios medos. O problema é que o tiro pode sair pela culatra e afastar os dois de vez.
Julia Quinn presenteou seus leitores com uma história rica. Rica de personagens, de qualidade, de humor e de amor. A família Bridgerton é grande e amorosa. Depois da morte do marido, Violet criou sozinha seus 8 filhos. Nem ela mesmo sabe como conseguiu isso sem ficar maluca. Em muitos momentos me senti dentro da família, talvez por ver minha própria família maluca, intrometida e amorosa sendo retratada em determinados momentos.
Além do ótimo casal de protagonistas, também me encantei com Colin (terceiro na ordem dos irmãos) e Violet, a matriarca da família. Aliás, só para vocês saberem, os irmãos receberam nomes em ordem alfabética conforme foram nascendo, ou seja, como são em oito irmãos, os nomes vão de A até H:
Também quero avisar para quem for ler, que uma das últimas cenas de Violet dando bronca nos filhos Anthony, Bennedict e Colin foi simplesmente hilária! Não poderia deixar de falar também sobre o personagem de Lady Whistledown. Ela (ou ele?) tem um periódico onde conta todas as fofocas da sociedade. O curioso disso, é quem ninguém imagina quem seja a pessoa, e conforme vamos lendo suas crônicas que são colocadas ao longo da história, percebemos que ela/ele é muito bem relacionado, o que acaba gerando muita curiosidade. Terminei este livro achando que é alguém da família Bridgerton, quem sabe a própria Violet...
Enfim, é um romance para ser lido e degustado com prazer. Agora conheçam a árvore genealógica da família:
Ah, uma última coisa, para aqueles que torcem o nariz para os famosos "livros de banca", deem uma olhada nesta imagem:
Pois é, esta série que arrebatou tantos fãs foi lançada antes pela antiga Editora Nova Cultural, famosa por seus romances de banca...
Então amigos, gostaram? Quem de vocês já leu? O que acharam?
Esta resenha faz parte de um dos meus Desafios Literários, para conferirem as outras resenhas do desafio, cliquem na imagem abaixo:
a Rafflecopter giveaway

Editoras Parceiras