#Resenha Ninfeias Negras

Oi amigos, a resenha de hoje é para aqueles leitores fás de enredos policiais recheado de mistério e reviravoltas. Apresento para vocês Ninfeias Negras:
Ninfeias Negras - Michel Bussi
352 páginas - Editora Arqueiro
Quando Jêrome Morval, um famoso cirurgião oftalmológico é encontrado morto em Giverny, no famoso lago imortalizado nas pinturas de Monet, o leitor é convidado a embarcar em uma grande investigação regada a várias aulas sobre Impressionismo e sobre o próprio Monet.
E não é só isso, logo no início o leitor é informado que o enredo, e o assassinato em questão, está diretamente ligado a história de três diferentes mulheres.
Fanette Morelle, de 10 anos é dona de um enorme talento para pintura. Ela é a mais inocente das três, talvez por conta de sua pouca idade. Isso não impede que ela tenha seu lado egoísta. Além disso, ela está a procura de um pai que nunca conheceu e adora enfeitar seus cabelos.
Stéphanie Dupain é casada e tem 36 anos. Ela é a professora local e se interessa por artistas, sendo considerada por todos muito linda. Ela está a procura de um amor que a liberte, e gosta de se maquiar para um amante.
A terceira mulher é também a nossa narradora. Tem mais de 80 anos e está quase viúva. Ela se auto intitula uma pessoa má, e isso talvez explique o fato de só usar roupas pretas. Ela é dona de um belo quadro e sabe muitas coisas sobre as outras duas mulheres...
De comum mesmo, elas só tem o desejo de ir embora de Giverny, o lugar que consideram como uma prisão.
A história do crime, e destas mulheres é contada no período de 13 dias/capítulos (13 a 25 de maio), com um último capítulo de encerramento, onde ficamos sabendo como ficaram as três mulheres.
O Inspetor Laurenç Sérénac e seu auxiliar Sylvio Bénavides são os encarregados de desvendarem o assassinato de Murval. Mas tudo o que descobrem parece não ter ligação nenhuma entre si, e acaba gerando mais dúvidas do que conclusões.
A confusão aumenta quando Sérénac acaba se apaixonando por Stéphanie, justamente a mulher que pode ser tanto a assassina como também uma futura vítima do criminoso. Ele apostava que a bela mulher precisava ser salva, já seu auxiliar acreditava que Stéphanie poderia ser ambas as coisas: vítima e assassina.
Eles precisam ter certeza se Stéphanie foi ou não amante de Murval, o que faria o nome do ciumento marido dela ficar no topo de suspeitos.
A investigação evolui, mas não chega a lugar nenhum, o que deixa o leitor com mais perguntas que respostas e com a impressão de que um inocente pode acabar pagando pelo crime. Isso no entanto não significa que a leitura seja tediosa ou confusa. 
E quando o leitor acha que a leitura vai ser uma grande perda de tempo, eis que o autor prende todas as pontas soltas e surpreende de tal maneira que dificilmente alguém seria capaz de prever este enredo.
Uma pequena cidade imortalizada em quadros e que esconde muitos segredos. Três mulheres loucas para fugirem. Dois crimes aparentemente sem solução. Qual delas conseguirá fugir? E qual delas precisará morrer?
Quero ressaltar ainda que o autor mistura ficção com realidade, e é ótimo tudo o que aprendemos e vemos ao longo da leitura.

Foto do lago em Giverny

Imagem de uma pintura de Claude Monet
Vou definir o livro em uma palavra: Incrível!!!
Vou dar um pequeno conselho a todos que curtem um enredo cheio de mistério e reviravoltas: Leiam!!!
Para finalizar, vou deixar com vocês o Book Trailer do livro:
Esta resenha faz parte do meu Desafio Literário 2017. Para ler as outras resenhas do desafio, basta clicar na imagem abaixo:
*Este livro foi enviado em cortesia pela editora Arqueiro.

#Resenha Ninfeias Negras

Oi amigos, a resenha de hoje é para aqueles leitores fás de enredos policiais recheado de mistério e reviravoltas. Apresento para vocês Ninfeias Negras:
Ninfeias Negras - Michel Bussi
352 páginas - Editora Arqueiro
Quando Jêrome Morval, um famoso cirurgião oftalmológico é encontrado morto em Giverny, no famoso lago imortalizado nas pinturas de Monet, o leitor é convidado a embarcar em uma grande investigação regada a várias aulas sobre Impressionismo e sobre o próprio Monet.
E não é só isso, logo no início o leitor é informado que o enredo, e o assassinato em questão, está diretamente ligado a história de três diferentes mulheres.
Fanette Morelle, de 10 anos é dona de um enorme talento para pintura. Ela é a mais inocente das três, talvez por conta de sua pouca idade. Isso não impede que ela tenha seu lado egoísta. Além disso, ela está a procura de um pai que nunca conheceu e adora enfeitar seus cabelos.
Stéphanie Dupain é casada e tem 36 anos. Ela é a professora local e se interessa por artistas, sendo considerada por todos muito linda. Ela está a procura de um amor que a liberte, e gosta de se maquiar para um amante.
A terceira mulher é também a nossa narradora. Tem mais de 80 anos e está quase viúva. Ela se auto intitula uma pessoa má, e isso talvez explique o fato de só usar roupas pretas. Ela é dona de um belo quadro e sabe muitas coisas sobre as outras duas mulheres...
De comum mesmo, elas só tem o desejo de ir embora de Giverny, o lugar que consideram como uma prisão.
A história do crime, e destas mulheres é contada no período de 13 dias/capítulos (13 a 25 de maio), com um último capítulo de encerramento, onde ficamos sabendo como ficaram as três mulheres.
O Inspetor Laurenç Sérénac e seu auxiliar Sylvio Bénavides são os encarregados de desvendarem o assassinato de Murval. Mas tudo o que descobrem parece não ter ligação nenhuma entre si, e acaba gerando mais dúvidas do que conclusões.
A confusão aumenta quando Sérénac acaba se apaixonando por Stéphanie, justamente a mulher que pode ser tanto a assassina como também uma futura vítima do criminoso. Ele apostava que a bela mulher precisava ser salva, já seu auxiliar acreditava que Stéphanie poderia ser ambas as coisas: vítima e assassina.
Eles precisam ter certeza se Stéphanie foi ou não amante de Murval, o que faria o nome do ciumento marido dela ficar no topo de suspeitos.
A investigação evolui, mas não chega a lugar nenhum, o que deixa o leitor com mais perguntas que respostas e com a impressão de que um inocente pode acabar pagando pelo crime. Isso no entanto não significa que a leitura seja tediosa ou confusa. 
E quando o leitor acha que a leitura vai ser uma grande perda de tempo, eis que o autor prende todas as pontas soltas e surpreende de tal maneira que dificilmente alguém seria capaz de prever este enredo.
Uma pequena cidade imortalizada em quadros e que esconde muitos segredos. Três mulheres loucas para fugirem. Dois crimes aparentemente sem solução. Qual delas conseguirá fugir? E qual delas precisará morrer?
Quero ressaltar ainda que o autor mistura ficção com realidade, e é ótimo tudo o que aprendemos e vemos ao longo da leitura.

Foto do lago em Giverny

Imagem de uma pintura de Claude Monet
Vou definir o livro em uma palavra: Incrível!!!
Vou dar um pequeno conselho a todos que curtem um enredo cheio de mistério e reviravoltas: Leiam!!!
Para finalizar, vou deixar com vocês o Book Trailer do livro:
Esta resenha faz parte do meu Desafio Literário 2017. Para ler as outras resenhas do desafio, basta clicar na imagem abaixo:
*Este livro foi enviado em cortesia pela editora Arqueiro.

Editoras Parceiras