#Resenha Insígnia: A Arma Secreta #1/3

Oi amigos, hoje convido vocês a embarcarem em uma aventura muito interessante, onde a vida real e a vida virtual são tão ligadas que em certos momentos não sabemos onde uma começa e a outra termina...

Insígnia - A Arma Secreta - #1 - S. J. Kincaid
498 páginas - Editora Vergara e Riba
A humanidade sempre conheceu e conviveu com as guerras. Mesmo com as épocas diferentes e dos diferentes países e conflitos em questão, todas tinham um grande semelhança, as mortes e destruições que ocorriam em combate. Mesmo do lado vencedor, as baixas eram sentidas. Mas na guerra criada por Kincaid isso não ocorre, uma vez que as lutas são travadas no mundo virtual.
Thomas Raines (Tom) é um adolescente de 14 anos típico de sua idade. Baixo, magro e com o rosto cheio de espinhas tem nos jogos sua grande e única habilidade. Tom vive com o pai, Neil, um jogador inveterado, que outrora teve momentos marcantes, mas que hoje era apenas mais um dos inúmeros apostadores pelo mundo.
A vida de Tom era incerta, aliás sempre foi. Seu pai não acreditava no sistema e vivia fora dele. Eles não tinham residência fixa e Tom nunca teve amigos ou chegou a frequentar uma escola, visto que não paravam em lugar nenhum. Por conta disso ele acabou caindo no reformatório Rosewood, onde crianças parecidas com Tom eram enviadas. As aulas eram dadas em RV (realidade virtual), mas com sua vida inconstante, mesmo assim era complicado para ele seguir todas as aulas. Por conta disso era sempre alvo de críticas da Sra Falmouh, sua professora. Em uma das aulas que conseguiu assistir, o assunto em questão era a Terceira Guerra Mundial, que atualmente era um "conflito extraplanetário". E aqui começa nossa história...
O mundo é dividido em dois lados, formados pelas 12 corporações mais poderosas, estas são conhecidas como Coalizão de Multinacionais. Os dois lados apoiam os países em guerra dividos pelos blocos Indo-Americano (Índia, EUA, Europa, Austrália e Canadá) e Aliados Russo-Chineses (África, Rússia, China e América do Sul). A grade diferença desta guerra para as outras como falei no incio, é que as batalhas travadas são em qualquer lugar do espaço ou de outro planeta. Agora são as máquinas controladas em RV que travam os combates o que acabou pondo um fim nas mortes humanas, nas destruições das cidades e nos inúmeros problemas de uma guerra no plano físico.
Por um golpe do destino, Tom é convidado a ingressar nas Forças Intrassolares e fazer parte da elite do Exército. Suas habilidades em games seriam fundamentais para ajudar os EUA a vencerem a guerra. Era a chance que Tom queria para ser alguém e ter tudo o que sempre sonhou. O que ele e o resto da população que não estava diretamente ligados a guerra não imaginavam, eram que os combatentes que lutavam em RV tinham um processador neural em seus cérebros. Eram jovens que tinham um verdadeiro computador dentro de seus cérebros.
Apesar de humanos, eram como máquinas em seus raciocinando e na forma de aprenderem, o que tornava os soldados como os humanos mais inteligentes e capazes do mundo.
Apesar do medo inicial, Tom queria aquela vida para si. Ele queria uma vida onde não seria apenas um Zé Ninguém. Acreditando em si mesmo, ele foi em frente e aceitou ser um dos combatentes e deu início ao seu treinamento.
Imagem retirada da fanpage Insígnia Brasil
Na Agulha Pentagonal, onde agora vivia junto aos outros que faziam parte da Força Intrassolar, ele conheceu um mundo totalmente novo, onde o céu não era o limite e fez amigos. Mas mesmo em uma guerra virtual, tem coisas que nunca mudam, como a politicagem e a luta pelo poder.
Tom acaba sendo vítima da ânsia de poder de uma das empresas que apoiavam o bloco Indo-Americano. Com um computador no cérebro, ele acaba sendo a vítima perfeita para um experimento cuja a intenção é dominar o mundo. Só que Tom não está mais sozinho e seus amigos Vik, Yuri e Wyatt estarão a seu lado para por fim a reprogramação que estava acontecendo sem a sua autorização. Acontece que nada é simples, e sempre leal a seus amigos e convicções Tom acaba sendo acusado de traição. Ele não tinha como explicar seus contantes encontros com Medusa, a mais mortal combatente inimiga. Na verdade, ele até tinha como provar sua inocência, mas assim acabaria entregando os segredos de seus amigos, e isso ele não estava disposto a fazer.
Sua única chance era vencer a batalha de apresentação que ia ocorrer na Comissão do Pentágono, mas para isso, teria que vencer pela primeira vez a terrível Medusa.
Com esta dura decisão pela frente, ele está disposto a tudo, até mesmo a usar o seu cérebro como arma. Uma arma poderosa e totalmente desconhecida. Para continuar com seus sonhos, proteger seus amigos e ganhar forças contra seus inimigos, ele teria que usar sua sede de sangue e sua vítima seria justamente a garota que mexia com seus sentimentos.
Era hora do tudo ou nada. Você não pode perder esta batalha épica, que mesmo sendo virtual, tem o poder de mudar a vida real de muita gente... Muito bom! Um enredo muito bem construído e amarrado, onde os personagens são muito mais que jovens jogadores. Cada um deles tem suas crenças e incertezas. Cada um deles tem as próprias batalhas para lutarem, e nem todos ali conhecem a verdadeira amizade e lealdade. Leiam e preparem- se para uma aventura ímpar que sai do mundo real e ganha o virtual, mas que tem todos os problemas, questionamentos e anseios da vida real.
a Rafflecopter giveaway

#Resenha Insígnia: A Arma Secreta #1/3

Oi amigos, hoje convido vocês a embarcarem em uma aventura muito interessante, onde a vida real e a vida virtual são tão ligadas que em certos momentos não sabemos onde uma começa e a outra termina...

Insígnia - A Arma Secreta - #1 - S. J. Kincaid
498 páginas - Editora Vergara e Riba
A humanidade sempre conheceu e conviveu com as guerras. Mesmo com as épocas diferentes e dos diferentes países e conflitos em questão, todas tinham um grande semelhança, as mortes e destruições que ocorriam em combate. Mesmo do lado vencedor, as baixas eram sentidas. Mas na guerra criada por Kincaid isso não ocorre, uma vez que as lutas são travadas no mundo virtual.
Thomas Raines (Tom) é um adolescente de 14 anos típico de sua idade. Baixo, magro e com o rosto cheio de espinhas tem nos jogos sua grande e única habilidade. Tom vive com o pai, Neil, um jogador inveterado, que outrora teve momentos marcantes, mas que hoje era apenas mais um dos inúmeros apostadores pelo mundo.
A vida de Tom era incerta, aliás sempre foi. Seu pai não acreditava no sistema e vivia fora dele. Eles não tinham residência fixa e Tom nunca teve amigos ou chegou a frequentar uma escola, visto que não paravam em lugar nenhum. Por conta disso ele acabou caindo no reformatório Rosewood, onde crianças parecidas com Tom eram enviadas. As aulas eram dadas em RV (realidade virtual), mas com sua vida inconstante, mesmo assim era complicado para ele seguir todas as aulas. Por conta disso era sempre alvo de críticas da Sra Falmouh, sua professora. Em uma das aulas que conseguiu assistir, o assunto em questão era a Terceira Guerra Mundial, que atualmente era um "conflito extraplanetário". E aqui começa nossa história...
O mundo é dividido em dois lados, formados pelas 12 corporações mais poderosas, estas são conhecidas como Coalizão de Multinacionais. Os dois lados apoiam os países em guerra dividos pelos blocos Indo-Americano (Índia, EUA, Europa, Austrália e Canadá) e Aliados Russo-Chineses (África, Rússia, China e América do Sul). A grade diferença desta guerra para as outras como falei no incio, é que as batalhas travadas são em qualquer lugar do espaço ou de outro planeta. Agora são as máquinas controladas em RV que travam os combates o que acabou pondo um fim nas mortes humanas, nas destruições das cidades e nos inúmeros problemas de uma guerra no plano físico.
Por um golpe do destino, Tom é convidado a ingressar nas Forças Intrassolares e fazer parte da elite do Exército. Suas habilidades em games seriam fundamentais para ajudar os EUA a vencerem a guerra. Era a chance que Tom queria para ser alguém e ter tudo o que sempre sonhou. O que ele e o resto da população que não estava diretamente ligados a guerra não imaginavam, eram que os combatentes que lutavam em RV tinham um processador neural em seus cérebros. Eram jovens que tinham um verdadeiro computador dentro de seus cérebros.
Apesar de humanos, eram como máquinas em seus raciocinando e na forma de aprenderem, o que tornava os soldados como os humanos mais inteligentes e capazes do mundo.
Apesar do medo inicial, Tom queria aquela vida para si. Ele queria uma vida onde não seria apenas um Zé Ninguém. Acreditando em si mesmo, ele foi em frente e aceitou ser um dos combatentes e deu início ao seu treinamento.
Imagem retirada da fanpage Insígnia Brasil
Na Agulha Pentagonal, onde agora vivia junto aos outros que faziam parte da Força Intrassolar, ele conheceu um mundo totalmente novo, onde o céu não era o limite e fez amigos. Mas mesmo em uma guerra virtual, tem coisas que nunca mudam, como a politicagem e a luta pelo poder.
Tom acaba sendo vítima da ânsia de poder de uma das empresas que apoiavam o bloco Indo-Americano. Com um computador no cérebro, ele acaba sendo a vítima perfeita para um experimento cuja a intenção é dominar o mundo. Só que Tom não está mais sozinho e seus amigos Vik, Yuri e Wyatt estarão a seu lado para por fim a reprogramação que estava acontecendo sem a sua autorização. Acontece que nada é simples, e sempre leal a seus amigos e convicções Tom acaba sendo acusado de traição. Ele não tinha como explicar seus contantes encontros com Medusa, a mais mortal combatente inimiga. Na verdade, ele até tinha como provar sua inocência, mas assim acabaria entregando os segredos de seus amigos, e isso ele não estava disposto a fazer.
Sua única chance era vencer a batalha de apresentação que ia ocorrer na Comissão do Pentágono, mas para isso, teria que vencer pela primeira vez a terrível Medusa.
Com esta dura decisão pela frente, ele está disposto a tudo, até mesmo a usar o seu cérebro como arma. Uma arma poderosa e totalmente desconhecida. Para continuar com seus sonhos, proteger seus amigos e ganhar forças contra seus inimigos, ele teria que usar sua sede de sangue e sua vítima seria justamente a garota que mexia com seus sentimentos.
Era hora do tudo ou nada. Você não pode perder esta batalha épica, que mesmo sendo virtual, tem o poder de mudar a vida real de muita gente... Muito bom! Um enredo muito bem construído e amarrado, onde os personagens são muito mais que jovens jogadores. Cada um deles tem suas crenças e incertezas. Cada um deles tem as próprias batalhas para lutarem, e nem todos ali conhecem a verdadeira amizade e lealdade. Leiam e preparem- se para uma aventura ímpar que sai do mundo real e ganha o virtual, mas que tem todos os problemas, questionamentos e anseios da vida real.
a Rafflecopter giveaway

Editoras Parceiras