#Resenha Cinco Dias em Paris

Oi amigos, hoje tenho para vocês a resenha de um livro da Danielle Steel, autora que gosto muito, mas que há tempos não lia nada. Vamos lá?
Cinco Dias em Paris - Danielle Steel
253 páginas - Editora Record
Peter Haskell nasceu em uma família pobre de fazendeiros, mas nunca sentiu-se em casa. Sempre soube que seu futuro era mais do que a vida lhe mostrava. Focado nos estudos para escapar do destino que lhe foi imposto, acabou conhecendo Katie, por quem se apaixonou. 
Tudo ia bem entre eles, até que Peter descobriu que ela era a única filha de um milionário das indústrias farmacêuticas. Foi o que bastou para ele colocar um fim ao relacionamento, pois Peter não desejava ser reconhecido como um caça dotes. Ele queria vencer sim, mas através de seus próprios méritos.
Katie não concordou com isso, mas nada conseguia fazer Peter voltar atrás. E assim a vida de ambos seguiu, até que Peter, formado em Marketing, recebeu uma bela proposta para trabalhar na Wilson-Donovan, justamente a empresa do pai de Kate.
A princípio ele pensou em não aceitar, mas sua própria família o apoiou e ele começou a trabalhar na empresa. Com o tempo, ele e Katie reataram a amizade e posteriormente o namoro. Era tudo o que Katie queria, e para o casamento não demorou.
Hoje, aos 43 anos, ele é vice-presidente da empresa, e está em vias de lançar um produto revolucionário no mercado. Sua vida está totalmente estabilizada, e ele acha que não tem do que reclamar. Casado com Katie e com 3 filhos, sabe que muitos adorariam estar em seu lugar.
Mas este mar de rosa está prestes a mostrar que não é tão rosa assim. Em Paris, onde foi conferir os últimos testes do medicamento que é seu maior sonho profissional, ele acaba conhecendo Olivia Tratcher, a mulher do futuro candidato à presidência dos EUA.
Olívia é uma moça simples, que nasceu e foi criada em meio a política. Ela passou por uma grande tragédia quando perdeu o filho para o câncer, e de lá para cá, o sentido da própria vida.
O encontro casual destes dois em Paris acabou acarretando um sentimento que nenhum dos dois esperava, e mais, abriu a verdade sobre a vida deles, que eles mesmo evitavam pensar.
Ambos tinham a chance de viverem o amor que sonhavam, mas eles estavam presos em sentimentos de culpa e gratidão, e o momento para estarem juntos, não era o certo. Mas será que a vida pode esperar pelo momento que achamos ser o certo? Existe mesmo o momento certo para viver o verdadeiro amor? E que preço pagamos por isso?
Sempre gostei muitos dos enredos da Steel, mas confesso que desta vez os personagens não me conquistaram muito. Talvez isso seja por ter achado o mote do livro parecido com outro livro da autora: O Beijo, lido e resenhado aqui. Ou talvez seja o fato que não senti empatia pelos personagens. Eu particularmente, aposto mais neste fator.
Apesar do grosso do enredo ter acontecido em 5 dias, a narrativa não é corrida, e o leitor consegue ver as cenas acontecendo sem atropelos. Para quem está acostumado com a escrita da autora, pode ficar um pouco chateado com a inércia dos personagens, mas não podemos negar, que ela sabe contar uma história de amor proibido.
Esta resenha faz parte do meu Desafio Literário Livreando 2018 (#DLL2018) no item "autor que faz aniversário em agosto". Para ler outras resenhas do desafio, basta clicar na imagem abaixo:

#Resenha Cinco Dias em Paris

Oi amigos, hoje tenho para vocês a resenha de um livro da Danielle Steel, autora que gosto muito, mas que há tempos não lia nada. Vamos lá?
Cinco Dias em Paris - Danielle Steel
253 páginas - Editora Record
Peter Haskell nasceu em uma família pobre de fazendeiros, mas nunca sentiu-se em casa. Sempre soube que seu futuro era mais do que a vida lhe mostrava. Focado nos estudos para escapar do destino que lhe foi imposto, acabou conhecendo Katie, por quem se apaixonou. 
Tudo ia bem entre eles, até que Peter descobriu que ela era a única filha de um milionário das indústrias farmacêuticas. Foi o que bastou para ele colocar um fim ao relacionamento, pois Peter não desejava ser reconhecido como um caça dotes. Ele queria vencer sim, mas através de seus próprios méritos.
Katie não concordou com isso, mas nada conseguia fazer Peter voltar atrás. E assim a vida de ambos seguiu, até que Peter, formado em Marketing, recebeu uma bela proposta para trabalhar na Wilson-Donovan, justamente a empresa do pai de Kate.
A princípio ele pensou em não aceitar, mas sua própria família o apoiou e ele começou a trabalhar na empresa. Com o tempo, ele e Katie reataram a amizade e posteriormente o namoro. Era tudo o que Katie queria, e para o casamento não demorou.
Hoje, aos 43 anos, ele é vice-presidente da empresa, e está em vias de lançar um produto revolucionário no mercado. Sua vida está totalmente estabilizada, e ele acha que não tem do que reclamar. Casado com Katie e com 3 filhos, sabe que muitos adorariam estar em seu lugar.
Mas este mar de rosa está prestes a mostrar que não é tão rosa assim. Em Paris, onde foi conferir os últimos testes do medicamento que é seu maior sonho profissional, ele acaba conhecendo Olivia Tratcher, a mulher do futuro candidato à presidência dos EUA.
Olívia é uma moça simples, que nasceu e foi criada em meio a política. Ela passou por uma grande tragédia quando perdeu o filho para o câncer, e de lá para cá, o sentido da própria vida.
O encontro casual destes dois em Paris acabou acarretando um sentimento que nenhum dos dois esperava, e mais, abriu a verdade sobre a vida deles, que eles mesmo evitavam pensar.
Ambos tinham a chance de viverem o amor que sonhavam, mas eles estavam presos em sentimentos de culpa e gratidão, e o momento para estarem juntos, não era o certo. Mas será que a vida pode esperar pelo momento que achamos ser o certo? Existe mesmo o momento certo para viver o verdadeiro amor? E que preço pagamos por isso?
Sempre gostei muitos dos enredos da Steel, mas confesso que desta vez os personagens não me conquistaram muito. Talvez isso seja por ter achado o mote do livro parecido com outro livro da autora: O Beijo, lido e resenhado aqui. Ou talvez seja o fato que não senti empatia pelos personagens. Eu particularmente, aposto mais neste fator.
Apesar do grosso do enredo ter acontecido em 5 dias, a narrativa não é corrida, e o leitor consegue ver as cenas acontecendo sem atropelos. Para quem está acostumado com a escrita da autora, pode ficar um pouco chateado com a inércia dos personagens, mas não podemos negar, que ela sabe contar uma história de amor proibido.
Esta resenha faz parte do meu Desafio Literário Livreando 2018 (#DLL2018) no item "autor que faz aniversário em agosto". Para ler outras resenhas do desafio, basta clicar na imagem abaixo:

Editoras Parceiras